Digitalização de documentos: captura, tratamento e disponibilização de imagens

Desde o início na década de 1980, a tecnologia para captura de imagens experimenta estágios de desenvolvimento que possibilitaram a inclusão da capacidade de capturar imagens nos mais diversos dispositivos: celulares, filmadoras, câmeras fotográficas para citar os mais conhecidos.

Esse desenvolvimento atingiu tão alto grau de depuração em termos de qualidade de imagem, que hoje o mais singelo dos celulares é capaz de capturar imagens de altíssima qualidade.

Em outras áreas, como saúde, comunicação gráfica, documentação, pesquisa e desenvolvimento, também se observa avanços que até pouco tempo poderiam ser enquadrados no campo da ficção.

Por outro lado, os processos para transmissão de imagens se beneficiaram dos avanços obtidos na captura e geração de imagens digitais.

Pode-se dizer que a tecnologia digital, tal como está hoje, é ferramenta indispensável em todas as atividades, seja registrando os bons momentos da vida, seja garantindo acesso à informação a toda sociedade.

Aliás, acesso à informação: esse o grande desafio que se impõe aos administradores e gestores, públicos e privados. Desenvolver, ter e manter processos que permitam que toda informação seja identificada, qualificada, armazenada e disseminada no tempo e para as pessoas certas.

No setor privado muitos setores já incorporaram a tecnologia ao seu dia-a-dia operacional. Bancos, financeiras, hospitais, entre outros.

No setor público, o judiciário vem a mais de 10 anos incorporando a tecnologia para dar celeridade no tramite dos processos. 

No âmbito federal a Lei de Acesso a Informação, 12.527 de 18 de novembro de 2011, determina que todas as esferas da administração federal, estadual e municipal devem disponibilizar para a sociedade as informações de suas áreas. 

A tecnologia digital permite não só que os documentos já nasçam digitais, mas que também aqueles gerados originalmente em papel sejam convertidos para imagens digitais.

Parte dessa tecnologia são os scanners profissionais que – diferentemente de outros equipamentos que também digitalizam, ou “escaneiam” os documentos em papel – exclusivamente digitalizam e convertem o conteúdo do documento em papel em imagens eletrônicas. 

Incorporam a mais refinada tecnologia para captura e tratamento de imagens e produzem imagens com a mais alta legibilidade, controlando automaticamente brilho, contraste e posição do documento, digitalizando simultaneamente frente e verso do documento, eliminando páginas em branco e gerando arquivos extremamente compactos que ocupam mínimos espaços quando armazenados e viabilizam o tráfego dessas imagens nas redes de comunicação.

A título de exemplo: com um scanner profissional uma página de tamanho A4, impressa em preto e branco, digitalizada em PDF, com 200 dpi de resolução, gerará uma imagem de aproximadamente 40k.

Além da velocidade na captura de imagens – o menor dos scanners departamentais digitaliza simultaneamente, frente e verso do documento a uma velocidade de 20 folhas por minuto, ou 40 imagens por minuto – outras podem ser citadas:

  • Propicia rapidez e agilidade no acesso à informação
  • Reduz custos na distribuição dessa informação
  • Reduz custos de armazenamento, localização e duplicação de papel
  • Automatiza os processos de entrada de dados
  • Permite acesso à informação para um número ilimitado de pessoas e em qualquer lugar 
  • Contribui e gera melhorias nos processos de atendimento a clientes
  • Gera maior segurança às informações por permitir controle de acesso aos documentos

Atuando há mais de 25 anos no mercado de gerenciamento da informação, a Netscan Digital fornece soluções em hardware – scanners – e softwares para captura e tratamento de imagens.

Saiba mais em www.netscandigital.com.br 

 

Rudyard Zanella

Gerente de Marketing

Netscan Digital Ltda

 

Você também vai gostar de ler:

Deixe seu comentário

Seu email nunca será publicado ou distribuído. Campos obrigatórios devem ser preenchidos *